A QUEM SERVIMOS?

A Voz dos Mártires serve cristãos que são perseguidos pela sua fé em Cristo em mais de 70 nações hostis ou restritas em todo o mundo. Mais de 4 milhões de cristãos perseguidos recebem todos os anos ajuda da VDM. Através desta comunhão, os nossos irmãos e irmãs são lembrados de que fazem parte do corpo mais vasto de Cristo, encorajados a permanecer firmes na sua fé e desafiados a continuar a fazer avançar o evangelho onde vivem.

PoonamDA ÍNDIA

Quando Poonam deixou o hinduísmo silenciosamente em 2012, a Bíblia que ela obteve tornou-se instantaneamente o seu bem mais precioso.

A jovem indiana, esposa e mãe de três crianças, lia secretamente a Palavra de Deus em casa todos os dias, crescendo na sua compreensão do amor de Deus por ela. Mas Poonam temia que o marido descobrisse a sua nova fé, o que rapidamente aconteceu.

Um dia, depois de ouvi-la a fazer uma oração cristã, ele encontrou a Bíblia e com raiva rasgou-a em pedaços.

"A partir de hoje deixas de ler a Bíblia, e enquanto viveres nesta casa é melhor não orares", repreendeu ele.

O marido de Poonam bateu-lhe, eventualmente expulsando-a de casa e recusando-se a deixá-la ver os seus filhos pequenos. A sua fé cristã custou-lhe tudo.

Na Índia, onde o aumento da perseguição aos Cristãos é paralelo ao aumento do nacionalismo Hindu, as Bíblias são um recurso precioso que ajuda os novos crentes a continuarem a crescer a fé a meio da perseguição.

Depois de perder a sua Bíblia e a sua família, a Poonam ficou com parentes e orou pelo retorno de tudo o que tinha perdido. Um pastor e outro crente que morava perto dos seus familiares visitavam a Poonam regularmente para orar com ela. Para a sua grande alegria, um dia eles deram-lhe uma nova Bíblia fornecida pela VDM. A Poonam desfez-se em lágrimas ao receber a Bíblia.

Com tempo, Deus respondeu às orações da Poonam, restaurando o seu matrimónio e a sua família. Embora o marido não tenha colocado a sua fé em Cristo, o seu coração atenuou em relação à Poonam e à fé Cristã. Ele até frequentou a igreja algumas vezes para ver como os Cristãos praticam a fé.

A Poonam lê e estuda a Palavra de Deus usando a sua nova Bíblia, mas ela não abandonou a Bíblia esfarrapada e rasgada que o marido tentou destruir. Afinal, foi assim que aprendeu sobre Jesus.

Ela disse recentemente a um obreiro da VDM que Isaías 41:10 tem um significado especial para ela: “Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça.”

“A minha Bíblia é tudo para mim”, disse a Poonam. “É a palavra viva de Deus. Sem ela, não consigo viver”.

Yusuf DA SÍRIA

Yusuf está dolorosamente consciente do tempo que passou desde que o seu filho de 31 anos, Faruq, foi raptado na Síria.

“Já passou um ano, nove meses e 20 dias", disse ele, segurando uma pequena fotografia do seu filho.

Yusuf não sabe onde está Faruq, mas acredita que está vivo devido à sua potencial utilidade para os seus raptores islâmicos. Faruq tem formação em informática, e os islamistas raptam frequentemente profissionais qualificados de que necessitam para as suas operações. Tal como muitos outros cujos familiares foram raptados por islamistas, Yusuf nada sabe sobre o que aconteceu ao seu filho. Mas a sua fé em Cristo dá-lhe a esperança que poucos outros sírios têm.

"Oro sempre, 'Que seja feita a Tua vontade, Senhor. Tu és um bom Deus'", disse Yusuf. "David não era melhor do que eu. Ele perdeu o seu filho, e eu sinto-me encorajado por esse facto quando vou à Bíblia. Não sou o único que perdeu o seu filho". Outras coisas que digo: 'Senhor, Tu deste-nos e podes levá-lo quando quiseres'. Estas são as coisas que me vêm ao coração quando vou perante o Senhor".

Em 2012, a guerra civil na síria obrigou Yusuf, a sua esposa, as suas duas filhas e Faruq a fugir da vila cristã de al-Hamidiyah, na cidade de Homs.

"Já não há vida humana nela devido a esta guerra", disse Yusuf. "Os radicais rebeldes entraram na cidade cristã, mas Deus foi grande e salvou-nos. A forma como Deus nos forneceu água, começou a nevar. Começámos a recolher a neve e a tirar água da neve para que pudéssemos beber e usar isso".

A família mudou-se para uma nova cidade, onde a sua "jornada de sofrimento", como Yusuf a chama, começou. Foi esta viagem que acabou por aprofundar a sua fé cristã.

Cerca de dois anos após perderem a sua casa, Faruq simplesmente desapareceu uma noite. Yusuf e outros procuraram nas prisões da área, mas não o encontraram. Depois receberam um telefonema dos islamistas, exigindo um resgate. Yusuf e a sua família continuaram a ouvir relatos contraditórios sobre a sua morte, mas eles acreditam que ele está vivo.

Yusuf disse que a sua maior dor é causada por não saber onde está Faruq.

"Alguém me explodiu o coração", disse Yusuf com lágrimas, ainda a segurar a imagem do seu filho.

Ele mantém uma imagem diferente e mental do seu filho na sua mente - uma imagem da mão de Deus cobrindo Faruq. Yusuf também se agarra a escrituras que lhe dizem para não confiar em reinos ou poderes terrenos, mas para "confiar no Senhor teu Deus".

"O que me parte o coração é a sua mãe", disse Yusuf. "Ela não é capaz de lidar com a realidade da perda do seu único filho. Criámo-lo, caminhámos com ele a cada centímetro, a cada passo da sua vida. Percorremos essa viagem com ele como uma família. Cada minuto foi tão valioso da sua vida e das nossas vidas, e depois, de repente, perdemo-lo. Ele desapareceu".

Yusuf usa tudo, desde o humor à fé, para ajudar a sua esposa a lidar com o seu sofrimento.

"Tento afastá-la dessa parte dolorosa da sua vida", disse ele. "Encorajo-a a ir ao culto de oração, ao estudo da Bíblia e a encontrar-se com os irmãos e a confraternizar com eles".

Yusuf admite que a sua relação com Deus tem sofrido desde o desaparecimento do seu filho. Disse que discute com Deus, perguntando onde Ele se encontra na situação e porque não pode saber nada sobre o seu filho. Entre as discussões, porém, disse que sente a paz de Deus.

"Acordo a meio da noite, e por vezes ouço a Sua voz e isso conforta-me", disse ele.

Yusuf disse que a comunhão com outros crentes o ajudou a manter-se forte durante todas as provações da sua família.

"Eles continuam a orar por mim, e perguntam sempre por mim, confirmando se estou bem", disse ele. "Essa comunhão de encorajamento é ótima para mim e para a minha família, porque mesmo quando não estou presente, sei que estão a orar por mim. Eles estão a orar pelo meu filho. Uma das reuniões de oração que fazem durante uma hora e meia, e eu sei que nessa hora e meia o meu filho, a minha família e eu estamos a ser cobertos por oração. Isto é apenas encorajamento para mim e para a minha família".

Yusuf é também encorajado ao ver como Deus usa outros para ministrar a ele e à sua família.

"Do nada, eles apenas vêm e me ajudam", disse ele. "É incrível como Deus está a providenciar. Não temos nada, mas temos algo por causa da provisão de Deus nas nossas vidas através da comunhão dos crentes".

Yusuf continua a ajudar os refugiados sírios através do trabalho voluntário com a sua igreja. Tendo experimentado as mesmas dificuldades que os refugiados enfrentam, ele sabe que o que mais os vai ajudar é vir conhecer Cristo.

Mesmo depois de ter perdido tudo - os seus bens, a sua casa, o seu trabalho e o seu filho - Yusuf disse que seguir Jesus vale a pena.

"Não sacrificámos [nada comparado com] o que Deus sacrificou por nós", disse ele.

RebekahDA NIGÉRIA

Num dia quente de 2014 Rebecca encontrava-se numa colina mesmo à saída da sua aldeia nigeriana, não pôde fazer mais nada senão assistir ao incêndio da sua casa e igreja.

Ela e os seus vizinhos ficaram devastados ao verem a sua aldeia em chamas e indefesos para se defenderem dos militantes do Boko Haram, fortemente armados, que tinham causado a destruição. Mas para Rebecca, isso não foi o pior de tudo; ela soube mais tarde que o seu marido e um filho tinham sido mortos no ataque.

Sete meses após a vida de Rebecca ter sido tão radicalmente alterada pelo ataque islamista, as forças militares nigerianas expulsaram Boko Haram da região. Embora a destruição fosse generalizada, as autoridades governamentais permitiram que Rebecca e os outros aldeões regressassem aos restos carbonizados das suas casas para reclamar o que restava. Enquanto ela peneirava as cinzas, o coração de Rebecca encheu-se de esperança com a descoberta da sua Bíblia queimada, mas ainda utilizável.

Ela curvou-se, pegou nela cuidadosamente e removeu as cinzas. "Obrigada, Senhor", suspirou ela.

Embora partes do Génesis e do Apocalipse tenham sido queimadas, o resto da sua Bíblia sobreviveu intacta. Enquanto ela continuava a lamentar a perda do seu marido, do filho, da sua casa e da sua igreja, a Bíblia carbonizada era uma fonte de grande conforto.

"Cada vez que abro a minha Bíblia durante os meus estudos, ela faz-me lembrar a fidelidade de Deus", disse ela. "Ver as cinzas de algumas [páginas] que já não conseguia ler torna a Palavra de Deus mais viva no meu coração".

Rebecca disse que recebe um encorajamento especial dos versículos que descrevem o Senhor como um marido para as viúvas. "Eu olho sempre para o Senhor para cada necessidade", disse ela. Mas ela olha principalmente para o Livro de Jó em busca de consolo. Ela disse que isso a ajudou a perceber que a sua relação com Deus é tudo o que realmente tem.

"Jó disse: 'Nu saí do ventre de minha mãe e nu voltarei", explicou ela. "Ele não veio com nada e nunca mais volta para Deus com nada. O Senhor deu e o Senhor tomou".

Rebecca ainda hoje escolhe usar a sua Bíblia queimada. Embora uma nova fosse agradável, a sua cópia esfarrapada conseguiu fazê-la passar por alguns momentos difíceis. É a Bíblia que a sua igreja lhe deu quando ela e o seu marido casaram, e é a Bíblia que eles liam aos seus filhos todos os dias.

Os perseguidores tentam muitas vezes enfraquecer a fé dos cristãos, tomando ou destruindo as suas Bíblias.

Muitos dos crentes já não possuem uma cópia da Palavra de Deus na qual possam procurar a orientação e o conforto de Deus enquanto enfrentam a perseguição.

Mesmo nos países comunistas e islâmicos onde os governos punem severamente qualquer pessoa apanhada com uma Bíblia, os crentes ainda nos pedem regularmente por elas. E a Voz dos Mártires está empenhada em preencher esta necessidade de Bíblias nas áreas mais perigosas e restritas do mundo.

Apesar dos danos causados pelo fogo, Rebecca agarra-se à sua preciosa cópia da Palavra Viva de Deus e agradece por ter sobrevivido ao ataque de Boko Haram.

"É a isso que ainda me agarro", disse ela.

Susan IthunguDA UGANDA

Pouco depois de Susan Ithungu, de 13 anos, ter conhecido Cristo em 2009, o seu pai muçulmano começou a espancá-la, e uma vez até a ameaçou matá-la com uma faca. Depois de tentar durante meses persuadir Susan a negar Cristo, finalmente trancou-a num pequeno espaço na sua cabana. Três meses passaram até que os vizinhos perceberam o que estava a acontecer a Susan e notificaram a polícia, que a resgatou e a levou para um hospital.

Um pastor que a visitou imediatamente após o seu salvamento disse que ela estava extremamente magra e incapaz de andar ou falar. "O seu cabelo tinha ficado amarelo, tinha unhas compridas e olhos afundados, e parecia muito magra, menos de 20 quilos", disse ele.

Infelizmente, a história de Susan não é única no Uganda. Enquanto 85% da população do país é cristã, aqueles que se convertem do Islamismo para o Cristianismo enfrentam perseguição e abuso físico por parte dos membros da família se se converterem.

Susan sofria de malária não tratada enquanto estava fechada numa pequena sala, e os meses de carência de cálcio afetaram os seus ossos em crescimento. Após duas grandes operações no seu fémur esquerdo, ela pode agora andar de muletas.

O VDM proporcionou-lhe despesas de vida e à sua cuidadora cristã, Dreda. Ela e Dreda mudaram-se para outra aldeia, onde Susan está protegida do seu pai.

Através de todas as suas dificuldades, Susan tem mantido a sua fé. "Sinto-me muito bem", disse ela com um sorriso, "porque agora estou com Cristo".

"Esta rapariga passou por um período difícil", disse um obreiro da VDM. "No entanto, ela manteve-se firme, independentemente do que teve de passar, incluindo a rejeição do [seu] pai e a sujeição a andar de muletas. Ela atravessou e está a crescer mais forte no Senhor a cada momento".

Aqueles que cuidaram de Susan ajudaram-na a perceber que Deus nunca a deixará no seu tempo de necessidade. Graças aos apoiantes do VDM, ela está a terminar a sétima classe numa escola equipada para lidar com as suas necessidades físicas especiais e para voltar a pôr a sua vida nos eixos. Susan partilha a sua história nas igrejas de todo o país e encoraja outros crentes a continuarem a orar pelos cristãos perseguidos. Ela espera um dia poder partilhar o evangelho com o seu pai e outros que a magoaram.

"Estou feliz com a vida agora", disse ela. "Não sabia que iria voltar à escola. Sempre que fui levada para o hospital, sabia que a minha vida seria ainda mais difícil, mas Deus é grande. Ainda sou forte. Muito obrigada por cuidarem da minha vida. ... Por favor, continuem a orar por mim. Quero estudar muito e ir para a universidade para que possa também ajudar outras pessoas que são como eu. Que Deus vos abençoe muito".

Dreda, a cuidadora de Susan, disse que ela também está grata pela ajuda que a VDM deu a Susan. "Fomos muitas vezes ao hospital por causa da saúde de Susan, mas Deus é fiel porque o apoio que recebemos tem sido suficiente para nos sustentar. Obrigada pelo amor, e que Deus esteja sempre convosco".

A VDM continua a ajudar crianças como Susan que são abusadas ou abandonadas pelos seus pais depois de terem chegado à fé em Cristo.

Mauricio y DenaDA Colômbia

Quando o marido de Dena, Maurício, viaja para as aldeias vizinhas para o trabalho ministerial, Dena e as suas três filhas, de 10, 7 e 5 anos, ficam vulneráveis. Ela também sabe que cada vez que ele parte pode ser a última vez que o vê. No entanto, acredita que o Senhor as chamou para ministrar numa das zonas vermelhas da Colômbia onde os grupos paramilitares e guerrilheiros infligem terror aos cristãos.

"Tenho um pouco de medo, mas estou a confiar no Senhor e a orar sempre", disse Dena. "Pusemos as nossas mãos nas Suas".

Para poderem visitar uma igreja fora da sua aldeia, devem obter autorização para sair dos paramilitares e depois obter autorização para entrar noutra aldeia. Se forem apanhados a tentar sair sem autorização, podem ser mandados de volta para casa ou mesmo mortos. Visitar às 15 igrejas que Maurício e Dena supervisionam é um desafio, e mesmo o tipo de transporte que utilizam pode colocá-los em risco.

"Normalmente as pessoas [paramilitares ou guerrilheiros] que estão envolvidas no conflito usam [motocicletas]", disse Maurício. "Uma pessoa pode ter a motocicleta que quiser. Mas se houver necessidade, ela será provavelmente tirada pelos guerrileiros".

Possuir um carro é também um problema. "Quando alguém começa a adquirir coisas, torna-se um alvo para organizações criminosas ... ou pessoas dentro do conflito", explicou Maurício. "Se uma pessoa começa a ter um melhor nível de vida ... então os paramilitares ou guerrilheiros começarão a pedir-lhe contribuições para sustentar o seu conflito".

Estas contribuições são chamadas "vacinas". Elas "imunizam" cristãos e outros aldeões contra novos problemas dos paramilitares e da guerrilha. "Se pagarem uma, devem continuar a pagá-las até que eles decidam que não têm de pagar mais", disse Dena.

Para evitar atrair demasiada atenção para si próprios, Maurício e Dena viajam para outras aldeias na parte de trás de um grande camião que se parece com um veículo de transporte militar. Enfiam-se nas costas com mais de uma dúzia de outras pessoas, bem como sacos de cereais e galinhas. "Houve acidentes", disse Maurício. "Eles viram, e as pessoas voam para fora do veículo. Portanto, é um problema. Mas é assim que nos deslocamos".

O transporte não é o único perigo que eles enfrentam. Enquanto lideravam um serviço religioso numa zona onde costumavam viver, Maurício e Dena foram apanhados num tiroteio. "Tivemos de nos deitar no chão porque as balas passavam por cima das nossas cabeças", disse Maurício.

Apesar de estarem rodeados de perigo, Maurício e Dena têm uma perspetiva eterna. "Sim, temos medo, mas fazemo-lo", disse Maurício. "É verdade que por vezes pregamos e sabemos que, no grupo, podemos ter membros paramilitares. Portanto, entramos onde devemos pregar sobre Jesus e pregamos sobre Jesus".

Dena está igualmente empenhada em partilhar Cristo em áreas perigosas. "Gostamos de expandir o Reino porque partilhar o evangelho não é uma opção - é uma ordem", disse ela. "E Ele disse para partilhar o evangelho com todas as criaturas. Ore por nós, porque a situação não é fácil. Mas sabemos que para Cristo somos mais do que vencedores".

A VDM apoia mais de 40.000 obreiros da Linha da Frente como Maurício e Dena, fornecendo-lhes as ferramentas de que necessitam para fazer avançar o Reino. Isto inclui também conferências onde os pastores e as suas esposas recebem ensinamentos bíblicos e encorajamento.