O marido de Laila estava fora, e ela foi deixada a cuidar dos seus dois filhos. Era um Inverno frio na Ásia Central, e os senhorios tinham acabado de a expulsar. “Se não sair, queimamos a casa – e queimamo-la a si também, se ficar“, tinham-lhe dito.

Laila e a sua família tinham sido rejeitadas por partilharem Cristo na aldeia, por isso decidiram sacudir a poeira, fazer as malas e partir. A família tinha suportado muitas dificuldades e iria continuar a fazê-lo, sentiam que valia a pena.

Tudo começou quando Laila apanhou um pedaço de lixo do chão.

ENCONTRAR DEUS ATRAVÉS DO LIXO

Laila sentou-se numa sala de espera do hospital enquanto o seu marido se preparava para ser operado a úlceras hemorrágicas. Não se esperava que ele sobrevivesse, e ela sentiu-se absolutamente desesperada. Notando algum lixo descartado debaixo de um banco, ela pegou no pedaço de papel amassado, alisou-o e viu que era um boletim informativo cristão que partilhava os testemunhos de outros cristãos. “Eu queria encontrar outras histórias como esta, por isso perguntei à minha cunhada“, disse ela. Acontece que a sua cunhada também se tinha interessado pelo cristianismo e tinha frequentado secretamente uma igreja doméstica. Ela convidou Laila a vir.

Entrei e juntei-me ao culto“, disse Laila. “Senti-me bem e natural. O pastor disse: “‘Jesus está vivo!’”. Nunca tinha ouvido coisas como esta. Havia um convite para as pessoas virem orar, e eu fui imediatamente. Estava a chorar enquanto orava a oração de arrependimento“.

Os cristãos acolheram Laila e os seus filhos, amando-os e orando pelo marido doente de Laila. Disseram-lhe que Deus o poderia curar. Quando Laila visitou de seguida o seu marido, ele estava prestes a ser submetido a uma quarta cirurgia. Como enfermeira, Laila sabia que pouco podia ser feito para ajudar o seu marido, por isso decidiu levá-lo do hospital para casa e começar a orar por ele.

Ela contou ao seu marido a sua experiência na igreja e levou-o à igreja com ela. Depois dos membros da igreja partilharem o evangelho com ele, ele também aceitou Cristo. “Nós e os líderes da igreja estávamos certos de que ele tinha sido curado“, disse Laila. “Voltei para a nossa aldeia, mas o meu marido ficou uma semana em comunhão com os cristãos. Quando ele voltou para casa, pude ver como ele estava saudável! Ele estava alegre e cheio de energia, a brincar com as crianças“.

“VOCÊS NÃO SÃO A NOSSA FAMÍLIA”.

A família começou imediatamente a contar aos seus vizinhos sobre Cristo. Cerca de um mês mais tarde, o imã local veio vê-los e disse-lhes que era errado da parte deles trazer a sua “nova fé” aos outros aldeões. Várias pessoas da aldeia queriam mesmo que eles partissem. O seu senhorio, contudo, disse a Laila que tinha sido um crente secreto durante muitos anos, depois de ter vindo a conhecer Cristo enquanto esteve numa prisão russa. Ele permitiu que a família ficasse onde viviam, mas quando morreu de uma doença crónica, os seus parentes muçulmanos disseram a Laila e à sua família que seriam despejados. Os novos senhorios disseram que a única forma de a família de Laila poder ficar era se fossem perante os líderes da aldeia renunciar a Cristo e voltar a comprometer-se com o Islão.

Eu tinha aprendido na Bíblia que os cristãos devem sofrer pela fé, por isso pensei: ‘Bem, aqui está‘”, disse ela. “E eu tornei o meu testemunho mais forte. Partilhei Cristo com eles“.

Nessa altura, os senhorios expulsaram-nos e disseram-lhes que os queimariam dentro de casa se eles ficassem. Quando o casal pediu ajuda aos familiares do marido de Laila, foi-lhes dito: “Se não negares Cristo, então não estás na nossa família”. O cunhado de Laila aconselhou o marido de Laila a divorciar-se dela e a regressar ao Islão.

Finalmente, o marido de Laila disse: “Vamos. Partilhámos o evangelho com todos nesta aldeia, para que possamos mudar-nos para um novo lugar”. Eles juntaram o que puderam e deixaram o resto.

AS BÊNÇÃOS SEGUEM O SOFRIMENTO

Laila e a sua família continuam a partilhar Cristo onde quer que vão. Estão prontos a iniciar a sua própria igreja, composta por crentes que se converteram ao cristianismo depois de ouvirem o evangelho através de Laila e do seu marido. A VDM está a apoiá-los no seu trabalho. “Muitas pessoas têm vindo ao Senhor através do nosso ministério e testemunho“, disse Laila. “Até o meu sogro veio a Cristo, pouco antes de morrer de cancro“.

Não tem sido fácil, e a sua família tem sofrido. O seu filho mais velho foi espancado na escola por se ter recusado a memorizar o Alcorão. O professor bateu-lhe na cabeça com o livro de introdução ao Islão quando ele não recitou bem os versos árabes. “Ele guardou isto para si durante muito tempo“, disse Laila. “Ele nem sequer o partilhou connosco, a sua família, até que um dia a tareia foi muito severa. Nessa altura, ele perguntou-me se havia algum lugar onde pudéssemos ir para adorar a Deus sem perseguição“.

Outras crianças da aldeia apontam para os seus filhos e cantam: “Cristão! Cristão!“. O seu filho mais novo tem cicatrizes na cabeça causadas por pedras atiradas por crianças zombadoras. Quando Laila confrontou os pais dos atiradores de pedras, eles disseram-lhe que era correto que os seus filhos direcionassem ataques aos dela porque a família de Laila acredita em “outro Deus”.

Mas a família de Laila permanece fiel apesar destas dificuldades. “Cristo vale a pena“, disse ela. “As bênçãos seguem o sofrimento. Depois de sofrermos, recebemos novas bênçãos de Cristo. E também, seguimos o exemplo de Cristo – Ele sofreu, e assim também nós sofreremos”.

Categorias:

Receba mais histórias como Aldeões ameaçam queimar viva uma família cristã com uma assinatura da revista premiada do VDM

Reivindique o seu Exemplar gratuito