Melissa tinha apenas quatro anos de idade quando perdeu a sua mãe.

A 1 de Julho de 2012, como de costume foi à igreja com a sua mãe em Garissa, no Quénia. Melissa frequentou a escola dominical enquanto a sua mãe, Sandra, se juntou a outros membros da Igreja do Interior de África. Mas o culto terminou abruptamente quando pistoleiros invadiram o santuário e abriram fogo sobre os adoradores. Melissa amontoou-se com as outras crianças na escola dominical enquanto os adoradores fugiam do edifício. Mais tarde, depois de outros pais terem recolhido os seus filhos, a melhor amiga de Sandra foi buscar a Melissa e disse-lhe que a sua mãe estava no hospital. No dia seguinte, foi-lhe dito que a sua mãe tinha morrido.

O ataque, levado a cabo por membros do grupo muçulmano militante al-Shabab, tinha matado 14 crentes e ferido 58. Doze crianças ficaram órfãs nesse dia, e A Voz dos Mártires tem ajudado a sustentá-las desde o ataque. Melissa está a ser cuidada pelos seus avós idosos. Como muitos na região, eles são agricultores de subsistência numa região propensa à seca, onde as colheitas não são garantidas. O apoio da VDM ajudará a assegurar que Melissa possa frequentar a escola e que ela e a sua família consigam comprar alimentos. O apoio do VDM também permite a Melissa saber que o corpo de Cristo cuida dela.

Enquanto continuam a chorar, muitas famílias afetadas pelo ataque em Garissa mantêm a sua alegria no Senhor. A esposa de um homem morto no ataque escolheu ter João 3:16 gravado na sua lápide. Estes crentes sabem que o amor de Deus se estende até aos homens que tiraram a vida de 14 cristãos em Garissa. E a sua confiança permanece firme no Deus que os ajuda a suportar e a superar circunstâncias impossíveis (Heb. 10:35-36).

***

Pauline Ayyad perdeu o marido nas mãos de terroristas na cidade de Gaza em 2007.

Rami Ayyad geria uma livraria cristã para a Sociedade Bíblica Palestiniana. Embora tenha recebido ameaças regulares de extremistas e a livraria tivesse sido bombardeada duas vezes, Rami sempre disse à sua mulher: “Jesus é o amor da minha vida e nunca O negarei, independentemente do que aconteça“.

No sábado, 6 de Outubro de 2007, Rami foi raptado por três homens – “fundamentalistas de barba comprida“, como ele os descreveu a Pauline num telefonema depois de ter sido levado. No início da manhã seguinte, o seu corpo, marcado com ferimentos de faca e buracos de bala, foi encontrado perto da livraria.

Pauline e Rami tiveram dois filhos pequenos, e ela estava grávida do seu terceiro. Ela estava muito zangada, especialmente com a pessoa que matou o seu marido. “Eu costumava culpar Deus a toda a hora“, disse ela. “Disse ao Senhor: ‘Que bem vai sair disto? Que bem me poderia acontecer após a morte do meu marido”? Eu odiava os muçulmanos. Odiava toda a gente“.

Então o Senhor falou com Pauline através de Eclesiastes 3. Ela percebeu que a morte de Rami estava de acordo com o tempo de Deus e que os seus assassinos eram ferramentas de Deus, usadas para os seus propósitos. “Este foi o início da jornada do perdão“, disse ela. “Eu perdoei-os, mas muito à superfície. Não estava realmente a perdoá-los“.

Nos meses após a morte do seu marido, a Sociedade Bíblica retirou o seu pessoal, incluindo a Pauline, de Gaza. Eles já não estavam seguros no território dirigido pelo grupo islamista Hamas. Pauline e os seus três filhos foram reinstalados na cidade de Belém, na Cisjordânia. Receberam apoio e encorajamento de cristãos de todo o mundo, mas ela ainda lutava com os seus sentimentos em relação aos assassinos do seu marido.

O processo de perdão que Deus tinha iniciado em Pauline foi finalmente concluído cinco anos após o assassinato de Rami. Numa conferência em 2012, Pauline percebeu que os muçulmanos que viviam à sua volta eram os que ela precisava de alcançar. “Libertei o meu perdão para essas pessoas“, disse ela, “e senti-me como uma pessoa totalmente diferente. Senti que tinha um novo espírito, um novo coração e uma nova mente cheia de perdão e de aceitação à situação que o Senhor permitiu na minha vida”.

Hoje em dia, Pauline está envolvida em várias formas de contato com as mulheres muçulmanas da sua comunidade de Belém. Ela também opera uma pequena loja de lembranças perto da Igreja da Natividade, vendendo lembranças a turistas para apoiar os seus três filhos. Em parceria com a Sociedade Bíblica Palestiniana, a VDM tem prestado algum apoio ao longo dos anos, incluindo o fornecimento de algum inventário para a loja em 2014.

Pauline tem visto a mão amorosa do Senhor a trabalhar na sua vida. “Comecei a descobrir, seis anos após a morte de Rami, que grande honra é ser viúva de um mártir“, disse ela. “Jesus, para nós, tornou-se uma realidade, tornou-se marido, tornou-se pai, tornou-se irmão, tornou-se ajudante, tornou-se tudo – uma pessoa em quem se pode confiar, com quem se pode contar.

A minha mensagem às viúvas é: não te enterres com o teu marido. Não, vá lá fora e seja um testemunho. Experimenta Jesus e deixa-o levantar-te e usar-te de uma forma milagrosa para trazer glória e honra ao seu nome“.

Como companheiros crentes, podemos ajudar a satisfazer as necessidades de viúvas como Pauline e órfãos como Melissa. Mas confiamos no Senhor para fazer o trabalho final de trazer conforto e perdão àqueles que mantêm a sua confiança n’Ele.

Categorias:

Receba mais histórias como Viúvas Cristãs e Órfãos permanecem fiéis após ataques com uma assinatura da revista premiada do VDM

Reivindique o seu Exemplar gratuito